Monthly Archives: Outubro 2015

PRIMEIRA AULA DE ARTESANATO

DSC00267 (1)

Iniciaram-se as aulas de artesanato, depois de quase quatro meses de intervalo. O número de participantes é semelhante ao do ano anterior. Verificaram-se duas desistências e uma entrada. Com o decorrer do ano, é muito provável que outras associadas venham a fazer parte.

Para já, a primeira prioridade, é produzir algumas peças de artesanato alusivas à quadra natalícia, uma vez que o Natal está a aproximar-se. Com a boa vontade da Ana Meireles e a colaboração da Dª Francelina, Maria Orlete Mendes e Carla Matos, esse objectivo vai ser alcançado.

Que este ano seja produtivo e que o grupo de artesãs de nome “Mãos  Engenhosas”, continue a ter o mesmo sucesso.

 

Anúncios

ALMOÇO/CONVÍVIO DE OUTUBRO

Retomámos os almoços/convívio, depois de 3 meses de interrupção e a partir de agora, serão realizados no primeiro sábado de cada mês. Tudo correu bem. Um agradecimento especial à Dª Lurdes e à Patrícia pelo empenho e boa vontade para que tudo corresse bem. Seguem algumas fotos do evento.

DSC00227 (1) DSC00228 (1) DSC00234 (1) DSC00238 DSC00239 DSC00240

DSC00242 DSC00243 (1)

No final do almoço, o Presidente da Direcção dirigiu algumas palavras aos presentes, palavras essas que aqui se reproduzem na íntegra:

 

Olá a todos.

Obrigados pela vossa presença e por mais este momento de convívio

Queria aproveitar esta oportunidade de estarmos aqui todos reunidos para vos dirigir algumas breves palavras sobre alguns assuntos actuais da vida da Colectividade.

Em primeiro lugar queria referir que depois de algumas dificuldades foi possível voltar a colocar em funcionamento o Bar Convívio. Foram 2 meses de encerramento forçado, em virtude de uma situação de ruptura inesperada que de facto não esperávamos e que impediu a continuidade do nosso anterior colaborador.

Como os associados já constataram, o Bar Convívio abriu no dia 1 de Setembro com duas novas colaboradoras e com algumas alterações na oferta de serviços aos nossos associados, em quantidade e qualidade. Começámos a confeccionar refeições, neste caso, almoços, com dois menus diários à escolha, a preços muito simpáticos.

A experiência está a ser positiva e vem provar que quando as pessoas apostam em determinados desafios e os levam por diante, com esforço, trabalho e boa vontade, é possível obter bons resultados.

Acredito nas potencialidades do Bar Convívio e acredito na capacidade de realização das pessoas. Com a colaboração dos dirigentes e associados, o futuro será bem melhor que o passado. Aproveito ainda para informar que os almoços convívio mensais passarão a ter lugar no 1º sábado de cada mês.

No que diz respeito às actividades, quero informar que a Ginástica se iniciou a 21 de Setembro e que o artesanato e a informática deverão ter início a 12 de Outubro, caso não haja nenhum contratempo de última hora. A exemplo da ginástica, vamos também começar a cobrar uma importância mensal simbólica, neste caso, 2,50 euros que servirá para colaborar nas despesas inerentes à informática.

Quanto ao artesanato, nunca é demais lembrar a dedicação de um extraordinário grupo de Senhoras que ao longo dos últimos 4 anos têm produzido interessantíssimas peças de artesanato, demonstrando grande unidade de grupo, dedicação e criatividade. Não podia deixar de agradecer ao grupo de artesanato “Mãos Engenhosas”, na pessoa da sua coordenadora, a minha esposa Ana Meireles, toda a colaboração, dedicação e carinho que têm dispensado à Colectividade. Desejo também ao Grupo de artesãs um excelente ano de produção de artesanato e sã convívio.

No que diz respeito à actividade de ginástica queria lembrar às pessoas que a saúde é o bem mais precioso do ser humano. Infelizmente, a saúde não se compra ao quilo no supermercado. A saúde conquista-se dia-a-dia, através de uma vida regrada e saudável. O exercício físico é importantíssimo para manter em forma os nossos músculos e a mobilidade do corpo. Quanto mais idade as pessoas tiverem mais cuidados devem dedicar à manutenção do seu corpo e, nesse aspecto, a ginástica é fundamental. Os nossos sócios devem aproveitar a oportunidade que a Colectividade lhes oferece, desde que haja vagas, porque ao participarem estão a zelar pela sua saúde. Desejo ao amigo Ismael Alves e a todo o grupo da ginástica uma boa temporada, vivida em ambiente de fraterna amizade.

Uma palavrinha também para a Informática e um merecido agradecimento ao altruísmo do Prof Vítor Ribeiro que nos tem prestado um valioso serviço e vai continuar a dar-nos esse apoio, a partir de 12 de Outubro, 2 vezes por semana.

Os nossos associados devem aproveitar esta oportunidade para adquirir mais conhecimentos informáticos, para mais facilmente poderem lidar com os computadores e as novas tecnologias. Nestes quase 5 anos de actividade, podemos dizer com orgulho e satisfação que algumas pessoas que nunca pensaram lidar com um computador porque achavam que não eram capazes, o fizeram com sucesso. Portanto, os associados que ainda não dominam a arte de computar, devem aproveitar a oportunidade que a Colectividade lhes oferece. Dizem que durante a vida todo o ser humano tem pelo menos uma oportunidade para ser feliz. O problema é que a grande maioria desperdiça essas oportunidades e, por isso mesmo, vemos tanta gente infeliz.

Por último, quero dizer-vos duas palavras sobre o Processo de Realojamento do Bairro das Calvanas”, iniciado em 1998, portanto há cerca de 17 anos, com todas as dificuldades e vicissitudes que todos conhecem. De facto, o Processo constituiu uma longa maratona que só agora está prestes a atingir a meta. Em 25.01.2007 celebrámos os Contratos Promessa de Compra e Venda e a cláusula 5ª especificava que as escrituras de Compra e Venda se realizariam no prazo de um ano. A verdade é que passados 8 anos as escrituras continuam por fazer e só agora isso vai acontecer. Por mim, estive sempre tranquilo e esse facto nunca me tirou o sono porque sabia que a casa era minha e por inerência, dos meus herdeiros, caso eu tivesse deixado de pertencer ao número dos vivos, como infelizmente aconteceu a alguns associados que entretanto partiram. No entanto, nesta hora, fico satisfeito com o início do processo da realização das escrituras, partilhando a satisfação daqueles associados que desesperaram ao longo destes anos com a incerteza de algum dia celebrarem as escrituras.

Nada dura eternamente e tudo tem um fim, umas vezes feliz outras infeliz. Neste caso, é feliz. Cada associado vai poder, finalmente e legalmente, ser proprietário da sua casa, embora, na verdade, ainda não possa usufruir plenamente de todos os direitos sobre ela, porque como todos sabem, existe no Protocolo celebrado entre a AMBC, a Câmara e a SGAL, uma cláusula de inalienabilidade que impede os proprietários de a venderem no prazo de 15 anos. Como essa cláusula teve início aquando da assinatura do Contrato Promessa de Compra e Venda, quer dizer que ainda só decorreram 8 anos, faltando mais 7.

Pois bem, independentemente de todas as inúmeras vicissitudes por que passou o processo, há que reconhecer uma coisa: o grande mérito da AMBC que conseguiu, com extraordinário empenho e determinação, a realização de um “projecto impossível” (como me diziam muitos responsáveis camarários) mas que os dirigentes da AMBC, com a sua fé inabalável e uma persistência sem limites, conseguiram tornar possível. Na verdade, é o único projecto de realojamento deste género (um Bairro construído de raiz para os associados de uma Colectividade, com casas individuais), levado a cabo em Portugal.

Como Presidente da Associação, sinto um grande orgulho e uma enorme satisfação, por tão importante realização. Todos sabemos como é difícil neste País os fracos lutarem contra os fortes. São lutas desiguais, é o mosquito contra o elefante e, por isso mesmo, a grande maioria das vezes, são lutas inglórias que acabam vencidas. Porém, quando acontece uma vitória, como é o nosso caso, o sabor e a satisfação são incomparavelmente maiores. Durante o percurso, sinuoso e difícil, conseguimos ultrapassar todos os obstáculos, derrotando sucessivamente quem se opôs às nossas legítimas pretensões: Presidentes, Vereadores, Directores, Chefes de Divisão, Técnicos e Assistentes Sociais. Toda essa gente que jurava a pés juntos que o nosso projecto era impossível e que o nosso realojamento seria igual a todos os outros, foi derrotada e por isso o nosso triunfo é muito mais valioso.

Nesta hora, não podia deixar de enaltecer o gigante papel de uma modesta Associação em tão importante Projecto de Realojamento e agradecer a todos quantos contribuíram para que tal fosse possível. Queria também, nesta hora, felicitar os novos proprietários e desejar-lhes muita saúde e longa vida para poderem desfrutar das suas acolhedoras casas.

Quero finalmente dizer-vos que a união faz a força e confidenciar-vos aquilo que todos já sabem: os associados souberam ser unidos enquanto lhes não foi atribuída a habitação, depois disso, os associados nunca mais foram os mesmos, adoptando um comportamento que eu, pessoalmente, não esperava, talvez porque eu não procederia como alguns e talvez, também, porque embora com 65 anos, ainda seja muito ingénuo.

Convido todos os associados a voltarem a ser unidos e puros de coração, na certeza de que a amizade e a bondade do ser humano será sempre recompensada com maior felicidade.

Um forte abraço para todos e um brinde final ao sucesso da Associação e à felicidade dos seus associados.